Protagonismo na Scooto: o Fruta na Copa

Em dias cheios de tarefas, o intervalo de ir à copa da empresa para tomar um café e comer uma fruta pode ser um pedido urgente, que grita: preciso refrescar as ideias! 

Mesmo no trabalho remoto, com toda a sua flexibilidade, esse momento de refresco também se faz essencial e, na Scooto, não poderia ser diferente. Foi nesse sentido que surgiu o Fruta na Copa, momento #sextou das Scooteiras, protagonizado por Gabriela Coelho.

O que é o Fruta na Copa?

Fruta na Copa é como chamamos o encontro remoto das manhãs de sexta-feira, tocado exclusivamente pelas Scooteiras, onde é liberado bater papo sobre qualquer assunto, meditar e até dançar. A única regra é: não falar sobre trabalho. 


Quando tudo era mato...

 

A ideia foi resultado do protagonismo das Scooteiras, que sentiram a necessidade de trocas mais informais em suas rotinas de trabalho e organizaram, sem qualquer ajuda institucional, encontros virtuais para jogar conversa fora. As interações foram tão boas que rolou até karaokê.

Foi motivada por essa proatividade e protagonismo que Gabriela Ioshimoto, CPO da Scooto, teve a ideia de cocriar um ambiente para compartilhar mais do que só uma rotina de trabalho e promover conexões mais próximas entre as Scooteiras. Assim, nasceu o Fruta na Copa. E será que deu certo?

As imagens falam por si só.

Entre cafés da manhã, risadas e karaokê, o encontro ganhou espaço no coração das Scooteiras, que pediram “bis” e fizeram do Fruta na Copa um evento semanal.

 

O Fruta na Copa hoje

Atualmente, protagonizado pela Scooteira Gabriela Coelho, que organiza, promove, participa e agita esse encontro, o Fruta na Copa se tornou um lugar para recarregar as energias com bate-papo, dança e meditação, e começar a sexta-feira com o pé direito.

Esse momento de descontração vem engajando ainda mais o time de Scooteiras. 

Veja alguns momentos do Fruta na Copa e depoimentos das Scooteiras sobre esses encontros:

E tem mais: Fala que eu Te Scooto!

 

 

Nem só de Fruta na Copa se refresca uma Scooteira. Outro momento importante compartilhado entre elas é o Fala Que eu Te Scooto, mais conhecido como FQTS, onde toda a empresa se reúne para conversas esclarecedoras e informais com a founder, Marina Vaz e o cofounder, Diego Locci. 

Como o nome já diz, o negócio é falar e ser ouvido. Também há espaço para abrir o microfone e soltar a voz. 

Confira alguns momentos do Fala Que eu Te Scooto

“Na Scooto, acreditamos que a real conexão ultrapassa o presencial. Criamos conexões através do reconhecimento de nossa própria vulnerabilidade e da vulnerabilidade da outra e, assim, tornamos esse ambiente seguro para trocas informais, para falar e ser ouvida, para pedir ajuda e para, simplesmente, ser vulnerável sem julgamentos. Esse é o real motivo do nosso crescimento: a cultura humana que propagamos para o mercado é exercida internamente. A humanização começa por dentro”, explica Diego Locci.